quarta-feira, novembro 01, 2006

O Inferno

Debrucei-me à janela do inferno
e não vi nada que me horrorizasse;
pareceu-me um lugar igual aos outros,
cheio de gente e coisas.
Alguém do inferno me disse para entrar.
Não me lembro quem era ou se eram vários,
nem o que me disseram lá de dentro,
ou se essas pessoas sorririam,
se haveria alguém a lamentar-se
ou se desconfiei por um momento.
Fui, e achei a porta do inferno,
abri a porta do inferno, entrei,
desde essa hora vivo no inferno.
É um lugar igual a qualquer outro,
cheio de gente e coisas. Todavia
sei que não pode ser senão inferno
porque neste lugar não estás comigo.

Amalia Bautista, Antologia de O Mal

1 comentário:

  1. No entanto, não deixaria de ser Inferno se estivesses comigo!

    ResponderEliminar

Arquivo do blogue

Sitemeter