sábado, maio 06, 2006

Apresentação

Neste espaço, agora inaugurado, vou tentar guardar algumas boas memórias da escola.
Talvez apareçam um pouco desorganizadas, mas não interessa...
Aqui vou guardar alguns textos que me agradam, algumas memórias que me marcaram e o registo de alguns bons episódios vividos como professora da minha escola: com alunos, com muitos amigos, com tanta gente que me ajudou e ajuda a ser feliz...
E, para começar, um texto do Diário, de Sebastião da Gama, que me serviu de pretexto para algumas apresentações minhas:

"O que eu quero principalmente é que vivam felizes".
Não lhes disse talvez estas palavras, mas foi isto o que quis dizer. No sumário, pus assim: "Conversa amena com os rapazes". E pedi, mais que tudo, uma coisa que eu costumo pedir aos meus alunos: lealdade. Lealdade para comigo, e lealdade de cada um para cada outro. Lealdade que não se limita a não enganar o professor ou o companheiro: lealdade activa, que nos leva, por exemplo, a contar abertamente os nossos pontos fracos ou a rir só quando temos vontade (e então rir mesmo, porque não é lealdade deixar então de rir) ou a não ajudar falsamente o companheiro.
"Não sou, junto de vós, mais do que um camarada um bocadinho mais velho. Sei coisas que vocês não sabem, do mesmo modo que vocês sabem coisas que eu não sei ou já esqueci. Estou aqui para ensinar umas e aprender outras. Ensinar, não: falar delas. Aqui e no pátio e na rua e no vapor e no comboio e no jardim e onde quer que nos encontremos."
Não acabei sem lhes fazer notar que "a aula é nossa". Que a todos cabe o direito de falar, desde que fale um de cada vez e não corte a palavra ao que está com ela.

3 comentários:

  1. Muito giro. Afinal nem só os experts da informática são capazes de fazer coisas interessantes com as novas tecnologias.
    é preciso dar continuidade.
    Aqui vai o endereço do meu blog:
    funny-learning.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Parabéns pelo seu blog doutora.
    Gostaria que fizesse dele um espaço onde a verdade fosse palavra de ordem. Não "permita" que as pessoas que o frequentem sejam do género "Tudo bem. Cada um é como é. Não vou criar problemas com ninguém. Respeito a opinião de cada um (quer esteja a ser hipócrita ou não!). Tudo jóia, meu irmão. A vida é assim mesmo!". Sabe porquê doutora?
    É que se for assim somos tudo a mesma "merda do costume!" (desculpe). Em casa produzimos opiniões reais e objectivas acerca nossos colegas (negativas em alguns casos!?...certo?). Do género "O gajo é um anormal do caraças!" Mas quando nos cruzamos com ele estamos sempre à espera que ele diga qq coisa que não seja "merda" que nos permita uma saída airosa do género "o gajo até que não é mau de todo, só que...".
    Faça deste espaço um espaço real, objectivo. Diga que na sua Escola nem tudo é perfeito. Há muito gajo burro!
    Devia permitir que os comentários aparecessem de imediato após o clique. Peregunte ao "engenheiro" que ele sabe.

    ResponderEliminar

Arquivo do blogue

Sitemeter